Veja o que o seu cão faz ao fugir de casa…

Existem alguns fatores que podem determinar para onde e quão longe o cão pode fugir, entre eles o comportamento das pessoas na rua, e a personalidade do cão. Para podermos achar um cão perdido devemos levar alguns fatores em consideração.A maneira como o cão reage a pessoas estranhas determina até onde ele irá chegar, por exemplo. Um cão manso e alegre, do tipo que abana a cauda para todo mundo, tem mais chance de parar de fugir assim que avista um ser humano na rua. Esse tipo de cachorro, normalmente é recolhido por alguém próximo ao local da fuga, e facilmente adotado, não irá vagar muito tempo sem rumo. 

 Já os cães assustados evitarão contato humano inicialmente. Com o passar dos dias, por causa da fome, tendem a diminuir o medo de pessoas estranhas e procurarem comida perto das casas. Mas, como tem essa atitude anti-social, muitas pessoas podem pensar que não tem dono, ou foram abandonados de propósito, porque passam muitos dias sem comer, e sem um teto, desenvolvendo uma aparência de maus-tratos, magreza e doença. São cachorros que podem ficar meses vagando, e mesmo assim ter um dono. 

Os cães que tem fobia de pessoas, porque foram mal socializados quando filhotes, não saíram muito de casa, e são meio “caipiras” (sic), tem maior probabilidade de serem mortos ou atropelados. Eles vão correr o mais longe que puderem, pois tudo e todos vão parecer ameaçadores. A chance de serem recuperados é muito pequena.

A situação em que ocorreu a fuga também é importante para avaliarmos a possibilidade de resgate. Se o cão escapou por um portão mal fechado, cavou um buraco na cerca, ou pulou o muro, provavelmente sentiu um cheiro e decidiu segui-lo. Não irá muitas quadras para frente, com certeza, e tende a voltar logo. Os animais que tiveram um ataque de pânico, sempre vão correr alguns quilômetros antes de cansarem, ou encontrarem abrigo. 

O clima também determina quão longe o cachorro vai andar. Num dia muito quente, ou um temporal, vai percorrer muito menos terreno que num dia mais fresco ou a noite.

A aparência do cão vai determinar se ele será resgatado mais rápido ou ignorado. As pessoas tendem a salvar cães de raça pura e pequenos, que são mais fáceis de colocar no colo. Um Pit Bull perdido provavelmente não vai ser levado para casa devido a sua fama de agressivo. Da mesma forma um vira-lata andando no meio-fio será ignorado, pois as pessoas podem pensar que se trata de um cão que mora nas redondezas e está dando uma volta, ou que realmente não tem dono. 

Mas, para recuperar um cão é importante prestar atenção em alguns erros fundamentais que as pessoas cometem. Não dá para sentar e ficar esperando para ver se o cão volta ou alguém acha e devolve. As primeiras horas são muito importantes, e devem ser feitas buscas em mutirão. É quando realmente o cão está por perto. Perguntar para todo mundo na rua se viu o fujão ajuda a dar pistas do itinerário que este adotou. 

Faça um plano de busca com amigos e ponha em prática nas primeiras 24 horas. Se não achar seu cão, visite todas as clínicas veterinárias da cidade, levando fotos, se possível, e descrevendo com detalhes a aparência do cão. Ofereça recompensas em dinheiro, isso mobiliza a comunidade (infelizmente). Coloque faixas e cartazes em vias expressas. Não fique limitado ao seu bairro, abranja toda a região, já que um visitante de passagem pode ter se sensibilizado e pego o animal. Pense o seguinte: em algum momento o cão terá que ir ao veterinário durante a vida. Se for um cão que precisa de tosa, como um poodle, avise todos os pet shops. Se for um vira-lata, pense bem, provavelmente ninguém vai roubá-lo, então ou ele ainda está vagando ou foi recolhido por alguém, e cabe, ao dono tentar recuperá-lo. 

Para quem encontra um cão, lembre-se: todo o cachorro de raça perdido tem dono. Você pode até recolhê-lo, mas vai ter que tentar achar o proprietário. Se for um vira-lata, preste atenção se ele não é um desses cães que só está dando mesmo uma voltinha rápida. Siga-o por um tempo, caso contrário, você pode capturar um cão que não fugiu de casa. 

Todos os cães se acostumam a novos lares, desde que bem tratados. Mas jamais esquecem seu lar antigo. Podem inclusive desenvolver problemas sérios de ansiedade. Pense que se você achou um Labrador na rua, o dono deve estar desesperado atrás dele. Mas faça sua parte, avise a todos que está com o cão. Também cabe ao proprietário o interesse em procurá-lo, senão não é amado o suficiente, realmente merece uma nova casa.

texto escrito pela Dra. Luelyn Jockyman

 

Equipe CSF
This entry was posted in Pense Nisso and tagged , , , , , . Bookmark the permalink.